abril 08, 2011

"Deslarga"


Queres manter o quê afinal? O conforto pequenininho de uma vida assim-assim ou a imagem no espelho da casa-de-banho que penteias para o mundo. O que merece afinal esse esforço todo para manter? Esse amassar do coração todo. Esse sacrifício todo. Esse desespero íntimo todo. Esse medo todo. Dependes. Delegaste a responsabilidade de ser feliz em mãos alheias. Aceita então as bofetadas.
E aceita que podem acabar no instante em que decidires que queres que acabem.
O meu instante foi numa fila de trânsito. Encostei assim que pude e estive muito tempo a chorar sentada na relva de um jardim. Tudo ficou tão claro. Como se houvessem dois Sois a iluminar a Terra. Estava mesmo cansada… De não ter orgulho de mim. De exigir o inexigível. De falar estrangeiro e de ser estrangeira. Da incapacidade de corresponder. Da culpa.Tanta culpa.
Cansada de esperar.

Mas esperar o quê? Era ao contrário: estava tudo à minha espera. Está sempre tudo à minha espera. Que eu vá. Simplesmente vá. De preferência sem malas. Fazer o que me apetece. O que considero correcto ou aquilo que combinar melhor com aquela que a minha pele abriga. De seguir o meu grilo. Ser quem me traz paz e sonos tranquilos. Que eu ria. E que eu abrace por amor, amizade ou porque compreendo que é difícil ser Homem. Que diga sim ao compromisso de tratar da minha parte com o máximo respeito por mim. E, inevitavelmente, com o máximo respeito por todos.

Está tudo à espera que eu seja o exemplo. E para isso é necessário que eu seja livre...

Que tire do bolso as chaves das celas do estabelecimento prisional chamado “EU”. Que o faça voluntariamente. Antes do motim. Antes que a revolta instaure a Justiça, com uma zanga, que a honestidade escusaria. Que eu entregue as chaves antes que me sejam arrancadas. À força e no momento menos esperado.
Se eu conseguisse dizer-te no que acredito, começavas hoje a ser livre. Perguntavas-te se isso de que precisas é a causa da tua felicidade. Ou da tua infelicidade... 

Talvez concordasses comigo e te livrasses, agora, do que cumpriu o seu papel e está fora de prazo. A personalidade caduca que já só te traz dissabores em vez de sorrisos. O casamento morto sem a certidão de óbito emitida. O trabalho frustrante que te dá dinheiro para comprimidos. Ou cursos de pintura…Esses objectos todos que ocupam o TEU espaço e o tempo dos teus filhos. Da tua mulher, namorada ou da tua vizinha de cima gira como tudo. Do passeio junto ao rio enquanto o sol de põe e percebes como és abençoado.

É isso que queres manter? As chaves? Continuar cativo dentro de ti aprisionando também o resto? Ficar pelo mais ou menos. Oferecer o mais ou menos. É um direito que te assiste. Mas exerce-o pelo menos com rectidão e não reclames na hora de receber, porque a vida só existe devido ao justo equilíbrio de todas as coisas.
Eu escolho assumir o dever de ir. De largar. De desamarrar a alma dos pesos que a mantêm retida na mediocridade e procurar o Melhor. O Excelente. O que tem o meu nome escrito...
Conferindo também ao Outro essa sagrada possibilidade.
IdoMind
About making the necessary changes

3 comentários:

Carlos Avelar disse...

Olá IdoMind...

Mais uma delícia.
Repetir os elogios no campo literário seria redundante.Continuo a achar que
de tão simples e directa é uma prosa genial.
Elogiar os conteúdos seria um sacrilégio, pois de tão pessoais que são não
podem nem devem ser comentados,podemos e devemos rever-nos neles,ou não..
e como eu me revejo em alguns textos!
Só posso continuar a agradecer por estes momentos de leitura.
Duas notas de rodapé: Quanto à "mais nova" terá sempre o meu cuidado,quem
passa de colega a amiga em tão pouco tempo,merece todo o meu carinho.
Quanto a nós, depois de três trocas de mensagens já nos podemos considerar
"intimos" por isso na próxima mensagem vamos deixar caír o "você" e passar
a "tu" que é muito mais fácil de escrever.

Beijinhos

Glorinha L de Lion disse...

Olá, IdoMind, muito prazer! Vim retribuir tua visita lá ao meu café e adorei teu blog e tua escrita. Que prazer! Voltarei mais vezes, beijos,

MARCELO DALLA disse...

Olá querida!!!!
Este texto é um tapa com luva de pelica, não? Necessário pra acordar...
Vim retribuir a visita e agradecer o coment carinhoso que deixou no meu espaço. Fiquei muito feliz.

Fiz um convite pra Shin Tau e faço pra vc tb: tenho um proejto no blog, o MEDITAÇÃO ILSUTRADA, onde convido os amigos pra compartilhar algo sobre meditação. Aceita participar? Vale o que quiser e será um prazer!!! Desde que se sinta inspirada, é claro.
bjossssssss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...