setembro 01, 2014

regresso às aulas



7 mudanças urgentes

- Substituir cada critica pouco construtiva, por uma boa e valente acção. Ou por silêncio, se não pudermos fazer nada.

- Respeitar o corpo em que moramos, honrando-o com uma alimentação mais cuidada, uma singela caminhada e um cremezinho na pele ao fim do dia.

- Parar. É urgente parar! Pensar. Sentir. Saber o que se anda a fazer.

- Cultivar a humildade, ouvindo, mas ouvindo MESMO, o que outro nos tem a dizer. Nunca somos os únicos a ter toda a razão.

- Acreditar que as coisas vão correr bem. A má sorte raramente nos encontra, se nós não a chamarmos a toda a hora.

- Escolher ambientes saudáveis. Pessoas que nos acrescentam, que nos empurraram uns centimos mais além. Nós também somos os sítios em que estamos e as companhias a que nos juntamos.

- Relativizar. Tudo importa mas nem tudo tem assim tanta importância.

IdoMind

about starting with the right foot

julho 31, 2014

sombreados


Há os Inventores de Caminhos.
De palavras.
De rimas,
com travo
a dor
a perda
a dia seguinte.

Há os Criadores de Histórias.
De tanta vida.
Da música
com sabor
a queda
a bofetada
ao que foi e não volta.

Há os que Continuam.

E há os outros...
os que nunca saem das suas sombras...

IdoMind

about masks

falemos



Estou a dar-te o meu tudo. Estou, pela primeira vez, a dar tudo.
O que não significa que tenhas de o aceitar.
Mas eu tenho de subir este degrau, largar quem sempre me julguei, para descobrir quem posso ser. E tu estás a ajudar-me. Descobriste-me os trilhos apagados. Mas amor, não tens de os explorar comigo.

Não quero nada de ti. É o que estou a tentar dizer-te desde o princípio. É por mim que te digo como és bonito. É por mim que te estimo e te mimo e cuido de ti como se cuida de todas as coisas que têm um valor muito particular para nós. É por mim que faço crescer o melhor de ambos. É isso que importa, dar de comer ao Amor que temos nos braços recém-nascido.

Peço-te apenas um favor, se puderes e se quiseres, sê honesto comigo. Não vou morrer se me disseres “desculpa, não sinto o mesmo”. Vou chorar um bocado, crescer outro tanto, vou seguir e, no fim, vou olhar-te com respeito. Para sempre.

Que a minha passagem por ti seja forte o suficiente, para não caíres na cobardia de me iludir. E magoar mais do que é preciso.

IdoMind

about word left unspoken

Pedra a Pedra


Ainda te choro, assim do nada.
Uma música que toca e és tu quem ali está a cantar-ma. Apareces-me e levas-me para aquela tarde estranha em que não queríamos mais estar zangados, mas não sabíamos como fazer as pazes. E então a música tocou. E foi mais fácil pedir-te colo.E foste mais rápido em mo dar.

No outro dia até te chorei através do choro de uma amiga e das dores que lhe andavam a fazer no peito. Como as que achei que nos fizemos um ou outro. Lembrei-nos a avançar milímetros na mesma direcção, para depois recuarmos quilómetros em sentidos opostos. Mas demos por nós mais perdidos sozinhos do que a desbravar um caminho juntos. E voltámos para trás. Encontramo-nos ao meio e demos de novo as mãos. Até que as largámos de vez porque a promessa de mudança foi deixando de bastar para o regresso a Casa a cada volta cada vez mais longa...

Tenho-te chorado mais agora, assim do nada, porque não morreste simplesmente. Fomos cúmplices no homicídio lento da vida que havia em nós.

E como são pesadas as lágrimas de saudade quando carregadas de remorsos...

IdoMind

about...flashbacks

Sou-te



És a flor que eu não cheiro,
os pézinhos de criança
que eu não beijo.
És o pedido que nunca faço
o passeio adiado
o olhar desviado.
És da alma,
o meu melhor pedaço.

És o idioma estrangeiro
o prenúncio de mudança
de um para sempre passageiro.
És a palavra engasgada
a canção da minha vida.
Uma chegada,
com despedida
És Lição inacabada.

És poema, sem saber.
Segredo bem guardado.
És meu e sem te ter
não te posso nunca perder;
Somos Um, somos Fado.

IdoMind

about our eternal little dance

junho 03, 2014

Promessas





E quando te humilharem e não te zangares,
zango-me por ti,

não contigo.

IdoMind

about echos in my heart

Constantemente




Quem te disse que não te vejo? Ainda ontem estavas em todo o lado...
Fui sair para ver o mar e, sem querer, porque queria outra coisa, foi a ti que vi. Infinitamente profundo, a dançar para mim, em tons de azul e de adeus. De inconstância. De forças...
Ali estiveste comigo, a tarde toda, enquanto para os outros a tarde só passava.

Por isso, quem te disse que não te vejo. Que não te sinto...
Constantemente.

IdoMind

what remains

maio 27, 2014

Aqui



Num fim de tarde de Inverno, dentro do carro, em frente - o mar.
Num abraço e nas lágrimas, poucas, mas pesadas, que ainda oiço cair quando os dias ficam mais cinzentos

Num adeus...
Naquela despedida.

Foi aí que te guardei.
E é aí que, de vez em quando, te vou buscar.

IdoMind

about specific memories 

maio 21, 2014

A tempo deste tempo



Tenho um "amo-te para te dizer.
Uma desculpa para apresentar.
Um fiz o contrário do que sentia para expiar.

Tenho o meu coração para te dar...

E antes que seja tarde,
a vida passe
e eu me esqueça que nasci para ser feliz,

anda cá, meu amor,

temos uma valsa para dançar.

idoMind

about leaving nothing to say

Esperas



Foi sempre fácil chegar a ti. Eras alcançável porque ainda tinha as duas asas. Foi quando te viste no chão, esquecido de voar, que te perdi. Ganhaste medo e, desde estão, mal te vejo quando passas.

És a minha águia que já foi beija-flor.

Onde te escondes tu, alma da minha alma, que não te alcanço mais, nem com olhos da eternidade. Onde quer que estejas, para onde quer que vais, levas-me em bocados desta saudade.

E eu que fui o teu berço, agora sou Espera.

Mas é assim que tem de ser
e a vida ensina a quem quer aprender
a cada nova Primavera
os pássaros voltam

ao mesmo cais.


IdoMind

about pauses

Opss



7 mentiras institucionalizadas, que nem por isso deixam de ser mentira:

. desculpa, tinha o telemóvel no silêncio.

. está tudo bem.

. apanhei um acidente no caminho ( um camião, uma avaria, tive um furo, fiquei retido na garagem... - os automóveis dão boas desculpas)

. não vai dar, já tenho coisas combinadas.

. estou quase a chegar ( quando ainda se está a sair de casa...)

. não fui eu.

. já me passou, só muito de vez em quando é que penso nele.

IdoMind

about those little lies

Se


Se fazemos
filhos,
tão lindos,
Estrofes
perfeitas,
Cálices
da lama
tirada do chão;

Se fazemos
Amor,
dom sagrado
geramos vida
música
eterna
eco do Infinito
no nosso coração

Se fazemos
guerra,
por todo o lado
e fazemos sofrer.
Se fazemos
chorar
e fazemos morrer.
Se fazemos
asneiras
sem admitir
e fazemos rasteiras
que fazem cair.

Parece-me Irmão,
que fazer o Bem
ou fazer mal
está apenas

na nossa mão...

IdoMind

about my hands

Por aí



Oiço-te nos intervalos da chuva deste dia que ainda é de Primavera.
Oiço-te no olhar cruzado e rápido que a mulher sentada à minha frente, dá ao homem sentado do outro lado. Falas-me no silêncio gritante deles e no abafar do desejo com o sorriso educado de sempre. E amanhã, começa tudo outra vez...
Oiço-te a gargalhada no velhinho que há mais de vinte anos pede o café pingado e come apenas o creme do pastel de nata.

Oiço-te por toda a parte, porque estás em mim onde quer que estejas.

Oiço-te nestas saudades, porque sei onde Moro...

IdoMind

about the smooth brise

abril 01, 2014

São loucas




De manhã, que medo, que me achasses feia!
Acordei, tremendo, deitada n'areia
Mas logo os teus olhos disseram que não,
E o sol penetrou no meu coração.

Vi depois, numa rocha, uma cruz,
E o teu barco negro dançava na luz
Vi teu braço acenando, entre as velas já soltas
Dizem as velhas da praia, que não voltas:

São loucas! São loucas!

Eu sei, meu amor,
Que nem chegaste a partir,
Pois tudo, em meu redor,
Me diz qu'estás sempre comigo.
Eu sei, meu amor,
Que nem chegaste a partir,
Pois tudo, em meu redor,
Me diz qu'estás sempre comigo.


No vento que lança areia nos vidros;
Na água que canta, no fogo mortiço;
No calor do leito, nos bancos vazios;
Dentro do meu peito,

estás sempre comigo

Amália Rodrigues, Barco Negro

IdoMind

about what sings to me

Perder para Ter






Vou falar-se sobre perder.
Primeiro uma casa.
Depois um homem.
E de perder o chão.
O emprego.
Quase todas as certezas.
Ficar sem um tostão.
Vai-se a força.
A paciência.
E por fim a fé...
Perde-se, acho que tudo,
menos a vida, que,
chegamos a querer perder até.

No fundo do poço
resta olhar para o Alto
e pede-se
um intervalo,
uma escada.
uma mão.
Neste render, me calo,
a resposta, se a há, tarda.
Ou talvez de tanto perder,
tenha perdido também
...A audição

Mas olha para mim,
meu irmão...
Aqui diante de ti, de pé.
Ainda é cedo
para a carne ferida,
mas a alma de tão Alta,
mesmo vergada,
quer-me erguida.
Viver é não ver o Fim,
nem até onde vai
a Descida.
É fé. É credo.
É transformar a terra,
na tua Subida.
E entretanto
perder

o Medo...

IdoMind

about keep on going

março 26, 2014

Obrigado


Segui-te
como se seguem os sonhos,
os vôos dos pássaros
e as coisas que acontecem.

Entreguei-me
como se entrega um filho à Vida,
um pai à Terra
e o corpo ao que está escrito.

Quis-te. Tanto.
Como se querem lençóis lavados,
água fresca e um par de braços´
depois da travessia de um deserto.

Amo-te.
Para sempre.
Por isto.
Por tudo.


IdoMind

about what my heart makes me write about

março 23, 2014

If I could


7 arrependimentos:

. ter cumprido todas as regras, mesmo quando o meu coração me dizia para as quebrar.

. ter percebido demasiado tarde, que é mais fácil mudar-ME do que mudar o quer que seja.

. ter chorado às escondidas, quando devia ter mostrado que estava a doer. Muito.

. ter sido cruel, convencida que estava a ser frontal. Desculpem...

. não ter abandonado tudo e andar 3 anos a aprender que há convites que se aceitam sem pensar.

. ter comprado uma casa. Quem tem raízes, são as árvores.

. Não te ter segurado e dizer-te "Fica." Nem ter pedido depois " Volta"...

IdoMind
about learning

março 21, 2014

Marte Retrogrado...tão bom.






Ainda vou a tempo de pedir desculpa pelas coisas que disse quando estava zangada?
Perdi toda a razão, ao perder a cabeça e permitir que o bicho ferido, aninhado cá dentro, deitasse as garras de fora para afastar outra agressão. Que é sempre a mesma. Tu atropelas-me. E nem notas.

Da pior forma possível, quis travar-te e embatemos os dois. Um no outro.
Desculpa. Já andei tanto, já parei tanto, já ressuscitei tanto e não fui capaz de ser melhor que tu. Talvez depois de ti, eu diga também " já me cansei tanto."
É que nunca esteve bem aceitar-te porque " tu és assim" e resignar-me à esperança de um dia seres de outra maneira. Nunca esteve bem ignorar os problemas e remata-los com um " não vale a pena " que valia essa pena e valia muito mais coisas.
Nunca esteve bem o segundo lugar...

Quando se ama, partilham-se todos os lugares, sobretudo os mais nossos, onde deixa de ser preciso estar sempre a bater à porta ou pedir autorização para entrar.

Era assim que gostava de te ter dito que me senti sempre do lado de fora, a pedir-te que te juntasses a mim.

IdoMind

about self control

Chega uma altura, em que temos de decidir se viramos a página
... ou fechamos o livro.


Ido Mind
about unfinished business

março 19, 2014

Olá Gordinho




Bom dia do Pai. 

Agora que somos os dois adultos, achas que conseguimos falar? Discordámos quase sempre de praticamente tudo, porém eu vivi para te agradar e tu viveste para me segurar. Sem jamais admitir. Claro, somos a cópia um do outro.


Outro pai ter-me-ia deixado dormir até mais tarde, mimado mais, poupado mais e, até talvez, amado mais. Ou pelo menos mostrado.
Tu não. Puxaste-me para a frente de todas as batalhas, e desde cedo me ensinaste que o Bom Combate se ganha de boa atitude em boa atitude. Que não se foge. Que não se encolhe. Que não se desiste. Que o medo não pode nunca ser maior que a Força.

Limpaste-me as feridas, mas nunca me impediste de cair...E o que cresci a julgar desamparo, foi afinal o que me fez mais Capaz e mais Mulher. Hoje eu não fujo, não me encolho e não desisto. Devo-te a minha integridade. Todas as minhas opções verticais. Honestas. Duras...


Pai, fizeste o que soubeste. 

Demorei estes anos todos para vê-lo. E reconhecê-lo.
Porque eu sou igual a ti - lenta, teimosa e difícil mas impossível de não se amar.

IdoMind 

about growind up, while my dad is growing old

O PAI DE CADA SIGNO






CARNEIRO - " Estás a chorar para quê? É só uma gotinha de sangue. Não sejas mariquinhas. Monta lá a moto outra vez. Vais ser o primeiro puto de 10 anos a saber conduzir motas!"

TOURO - " Se já fizeste os deveres da escolas, arrumaste o teu quarto, despejaste o lixo e perguntaste à mãe se precisa de alguma coisa, podes vir para o sofá, p'ró pé do pai. Que tal uma tarde inteira descansadinhos no sofá, a ver filmes. Fazemos um balde de pipocas, caramelizadas, que tal?"

GÉMEOS - " Esqueci-me que saías mais cedo e não fui a tempo de te ir buscar. Desculpa. É que me tinha esquecido que o carro ía para a revisão e distraí-me ao almoço a ver uma loja nova que abriu na rua perto do trabalho. Não te esqueças que tens inglês às 15h, piano às 17h e às 18h vamos àquele curso de escrita criativa, está bem? Beijos, tenho de ir, que me esqueci de ir buscar a roupa à lavandaria."

CARANGUEJO - " Olá princesa. Almoçaste bem? E as aulas, como correram? Recebeste o teste de português? Queres que vá falar com o professor para te dar mais apoio? O pai comprou-te umas luvas, porque não gostei nada dessas frieiras nas mãos. Adoro-te, querida. Xôxôs fofinha"

LEÃO - " O quê? Não foste escolhida para representar a escola no Encontro Anual de Estudantes Europeus? Essa escola não vale nada e não sabe reconhecer um génio nem que esteja vestido de verde alface diante do director. Deixa amor, eles é que perdem! Vamos ao shopping? Vestes aquele vestido novo e eu exibo-te para toda a gente ver como és gira. És a coisa mais bonita que já me aconteceu. Tenho orgulho em ser teu pai."

VIRGEM - " dia 25 de fevereiro de 2014 - nasceu o primeiro dente. Houve uma ligeira subida de temperatura. Dia 01 de março de 2014 - as fezes apresentavam uma cor mais escura que o normal. marcar consulta. Dia 13 de Março de 2014 - saída para visitar os avós, levar 2 mudas de roupa, soro fisiológico, compressas esterilizadas e o sapo com música."

BALANÇA - " Amor, fazemos assim: se comeres os brócolos, podes ir à rua brincar com a Ana. Eu sei que não são lá muito saborosos, mas sabes a vacina que levaste a semana passada? Também doeu um bocadinho, mas agora estás protegida da gripe todo o ano. Percebes? Fazem-te bem. Confias no pai? Outra coisa que te vai fazer bem, é ir organizar e arrumar a roupa toda que tens em cima da cadeira. A confusão não é saudável e torna-te desmazelada. Não gosto de desmazelos. Vais comer os brócolos?"

ESCORPIÃO - " Filha, não precisas de dizer nada. O pai sabe que te está a doer. Preferes ir comer um gelado à praia ou que faça uns telefonemas e dê uma tareia no desgraçado? Eu deixo-te torturá-lo um bocado... e até o gelado vai saber melhor."

SAGITÁRIO - " Já fizeste a reserva on-line do nosso vôo para Genebra? Afinal já tens 11 anos! Vou adorar ver como te desenrascas com o alemão, o francês e o italiano. E com a prancha de bodyboard também! Pai e filho, aventura nos Alpes!!! Vai ser o máximo! UUUUUUUU"

CAPRICÓRNIO - " Faz-me o favor de deitar aqueles tenis fora. Amanhã compramos uns novos, da Adidas. Além de bons, combinam com o uniforme de ginástica da escola. E faz-me outro favor - vê lá se não te atrasas, que sabes bem que o jantar em casa é às oito, para teres tempo de ler um bocado antes de dormir e descansares em condições. Deixei-te uns panfletos muito interessantes, na mesa de cabeceira, sobre escolhas de carreiras e cursos profissionais. Nunca é cedo para planear o futuro."

AQUÁRIO - " Desculpa lá mas já te ensinei 3 vezes a apertar os sapatos. Filho meu não depende de ninguém para lhe fazer as coisas. Vou a uma convenção sobre máquinas que mudaram o mundo. Queres vir ou ficas em casa. Se vieres, faz a tua mala."

PEIXES " Filho da minha vida, faças o que fizeres vou entender-te sempre. O meu coração bate com o teu. Somos um. Com todos. Por isso não faças a ninguém o que não gostarias que te fizessem a ti e acima de tudo lembra-te que a pessoa à tua frente podias ser tu a ter um mau dia. Ama. Sonha. Anda com o pai passear e sentir a vida. És o meu milagre..." 

IdoMind 

about starry dads

março 16, 2014


Estamos os dois a olhar a mesma lua. No mesmo mundo.
Hoje, esta ideia confortou-me. 


IdoMind

about moons and moods

março 14, 2014

facilidades





Passados dois anos vimo-nos de novo. Foi como se nos tivéssemos visto há dois dias. E à medida que íamos falando, olhos cada vez mais nos olhos, o tempo perdeu-se e afinal não tinham passado sequer dois minutos. Voltou tudo. As memórias das manias e dos tiques e de mais coisas, de que me lembrava, supreendente e confessadamente, tão bem.

- Foi fácil? - Perguntei com um nó a estrangular-me o coração.
- O quê?
- Deixares-me. Trocarmos intimidades, entregarmos segredos, chorarmos nus a mais profunda das nossas tristezas, dizerem-se coisas, prometerem-se outras, e depois ir embora assim, meio sem mais nem menos, como se não tivesse sido nada. Como se eu não fosse nada... Foi fácil?



Não falámos mais. A partir dali só no silêncio nos dissemos o resto.

IdoMind

about time. About magic

Uivo


" Talvez o lobo esteja apaixonado pela lua,
e todos os meses 
o lobo chora
pelo amor
que nunca conseguirá tocar."


IdoMind

about this

O Lugar





Arrumados um no outro, perceberemos que seria impossível cabermos noutro lado. Foi por isso que apesar de todo o esforço, da vontade sincera de fazer com que resultasse e de alguma dose de cedências quase santas, nunca na verdade coubemos.
Nem ninguém teve a medida exacta do nosso espaço por ocupar.

É que os nossos recortes são gémeos. Ímpares. Filhos das mesmas despedidas que nos separam à nascença para que nos procurássemos. Que nos reconhecêssemos e fosse cumprida em nós a palavra do profeta anunciando que o que Deus juntou, nada pode separar. Nada.
Nem o tempo. Os outros. A vida que se complica. Que ajudamos a complicar. 

Voltaremos a caber. É assim que É...
Teremos então o céu inteiro a celebrar connosco porque conseguimos. E as estrelas irão descer sobre nós para nos dizer obrigado por as termos seguido.

IdoMind

about fitting in

Escutar




Estás preparado para suportar as consequências dos teus actos? Das muitas, e premeditadas, omissões? Sentes-te capaz de sobreviver aos socos das memórias que, mais cedo ou mais tarde, vão agredir-te? Estás pronto para estar em paz com as tuas decisões mais cegas, mais secas, mais duras...mais tudo menos as que bem sabias e bem sentias que deveriam ser tomadas?
Estás consciente de que há desculpas que simplesmente se vão tornam impossíveis? E que vais pedi-las baixinho, no segredo do teu quarto em noites longas e em saudades eternas?
Se estiveres, continua então. Permanece escudado na realidade que inventaste só para ti e não perguntes de vez em quando se entendeste bem. Não oiças e faz como fazes sempre - à tua maneira. 
Continua... um dia destes vai ser verdade e estarás, realmente, sozinho.

Um dia destes, porque continuaste tanto, não mais será possível voltar atrás, porque entretanto toda a gente continuou também. Sem ti...


IdoMind

about stopping

palavras, palavrinhas e palavrões



A filha de um grande amigo, teve duas negativas a português. Numa das conversas com ela, perguntei-lhe porquê. Onde moravam as suas dificuldades numa disciplina que é essencial para todas as demais.
Respondeu-me que percebe perfeitamente a gramática e que não dá erros ortográficos, mas quando chega à parte de interpretar os textos, simplesmente não consegue entender o que os autores querem dizer. Por exemplo, porque é que para dizerem que o céu é azul, escrevem que o mar onde navegavam as nuvens parecia um lenço de cetim índigo. São estes floreados desnecessários que, no seu parecer, fazem do português uma disciplina tão difícil de compreender.

- Querida, posso dizer-te que és uma miúda muito simpática. Mas posso também dizer-te que esqueço toda a maldade do mundo, quando entro nesta casa e dou com a doçura do teu olhar. 
Posso dizer-te que és gira. Ou posso dizer-te que onde quer que estejas, o teu brilho vê-se de longe e sei sempre onde te encontrar no meio da multidão. Posso dizer-te que gosto de ti... Ou posso dizer-te que em ti vejo mil razões para acreditar que ainda há esperança nas pessoas...
Qual destas maneiras de dizer te faz sorrir? Qual delas te traz um quentinho ao coração e para mais perto de mim?
É para isso que servem as palavras enfeitadas umas nas outras: para nos pôr a alma a sorrir e lembrar-nos que há sempre uma maneira mais bonita de dizer as coisas.

São as palavras ditas assim, que reduzem as distâncias para o alcance de um abraço. 
Ou de um dos teus beijinhos.

IdoMind

about the best way possible


o que faz falta




7 coisas de que tenho saudades:

- do toque para o intervalo grande
- de fingir que estou a dormir só para me levarem para cama ao colo
- das conversas sem fim com a minha avó...
- de não me importar
- de subir às árvores
- de confiar incondicionalmente
- de ti, muitas vezes.

IdoMind

about remembering

Ver





O mar acompanha-me acho que desde o primeiro sonho que me lembro de ter tido. Viver aqui, tão perto deste azul todo, faz-me sentir agradecida e lembra-me a menina, que conheci numa das minhas andanças, perguntar-me como era a praia. E pedia-me que desse detalhes sobre a forma das ondas e força da maré. Tão gira...


Lembra-me que chorei nesse dia. Ninguém devia partir sem saber como é a água salgada a namorar-nos o corpo. Ou o som das ondas aos murmúrios com as memórias.

Ela partiu.

Desde então, procuro ver apenas Beleza.


IdoMind



about sensibility

O SUICÍDIO DE CADA SIGNO



CARNEIRO: gosta de mortes violentas! Os seus pensamentos suicidas são do género, cheio de raiva e paixão como num filme Hollywoodiano, com muita acção, desgraça, exageros.
Tenta matar-se de mota, a alta velocidade ou atira-se de uma ponte à hora de trânsito. Querem ser vistos.

TOURO: Mata-se com veneno na comida, com efeito para duas horas depois, ou com muitos remédios para dormir...conforto até na morte...

GÉMEOS: Mata-se cortando a língua, num quarto escuro, sem net, telefone ou qualquer meio de comunicação...morte triste...

CARANGUEJO: Suicida-se por enforcamento, com um bilhete colado na mão a dizer " A culpa foi tua."
Caranguejos adoram culpar alguém...

LEÃO: Toma um veneno na noite de natal, 5 minutos antes da ceia, só para causar polémica. Leão gosta de fins dramáticos!!!
E inesquecíveis!

VIRGEM: Não consegue suicidar-se...Fica tanto tempo a planear os detalhes, que quando vai a ver, a vida já passou e ele morreu naturalmente.

BALANÇA: Fica super indeciso! Ou liga o gás e morre, ou corta os pulsos...e fica à espera que o encontrem e talvez salvem. Por fim decide - contrata alguém para mata-lo com um tiro. Balanças não assumem o que fazem.

ESCORPIÃO: vai para a cama com quem odeia, só para lhe sacar as impressões digitais e a seguir mata-se com facadas e de luvas.
Morre a lixar quem ele não gosta...

SAGITÁRIO: Toma 15 xanax e pula de Asa Delta... Morre de forma desportista e aventureira. Destemido (ou exibicionista)

CAPRICÓRNIO: Tiro na cabeça. Rápido e eficaz. Mas antes deixa todas as contas pagas,o testamento pronto, e já vestido com a roupa do enterro!
Capricórnio é responsável!

AQUÁRIO: Como é moderno, mata-se no facebook, no twitter, no tumblr e muda-se para a Patagónia. Suicido social, amigo! Tendência...

PEIXES: Embriaga-se, sai para rua todo nu e tenta ser atropelado... Mas como é azarado, parte as pernas e dá trabalho à família. Eita signo!



IdoMind



about confort ;)

Piadas de gente


- Como correu? - perguntou a mãe mosca ao seu filhote mosca
- Muito bem -  respondeu o pequeno mosquinha - Por onde quer que eu passasse toda a gente aplaudia!


Cada um se ilude como quer. 
E às vezes como nos permitem.


IdoMind

about double meanings

É isto



" A saudade só é bonita
na poesia..."

IdoMind

about beauty

...



Eu nunca o vi ter medo de nada.
Só de a perder...


IdoMind

about important people of my life

Sim?



Sim é a palavra mais diplomática que existe. Quase mágica, até. A gente diz sim e o problema desaparece!
A gente diz sim e o outro vai contente à sua vida. Deixando-nos sossegados na nossa.
A gente diz sim e não temos de discutir. De confrontar. De justificar.
O sim poupa-nos à trabalheira que é definirmos quem somos nas nossas relações com as pessoas. É que a gente diz sim e todos nos acham um espectáculo.

A gente diz sim a um filho e ele cala-se. Ficam todos felizes. E pode voltar-se ao nosso mundinho, com um drama a menos e dispensados do dever de educar.
A gente diz sim a um marido e ele nunca chega a conhecer-nos.Colecciona-se mais uma mágoa e um motivo para as trombas que ele acha que é mau feitio.Ou a menstruação.
A gente diz que sim a uma mulher e ela não faz perguntas. Segue-se em frente e olha-se para o lado, para outras mulheres, sem grandes questões.
A gente diz sim aos amigos e é sempre uma festa. E os mesmos amigos. Ninguém deixa de gostar de quem diz sempre que sim.
É uma maravilha o Sim. Só que não é.

A gente diz sim às injustiças, à maldade, ao desafecto, às desculpas mais que ultrapassadas, ao que não está bem e o que acontece é – nada. Nada muda.
Dizer sim, é ser cúmplice e perder o direito de reclamar no dia em que se ouvir um Não.

Isto tudo para dizer, que dizer Sim não é sempre positivo.


IdoMind



about blessed no

Agoras



- E agora?
- Agora, segue o teu coração.
- Qual dos bocados...?


IdoMind

about waiting for the storm to pass

Aqui. Estou aqui.



Há bocados de mim em ti.
É por isso que apareço, quando precisas que eu apareça.
Ou desapareço, quando mais querias que nunca tivesse partido.
Sinto as tuas dores.
E tu, mesmo que não saibas ou não acredites, sentes as minhas.
Eu sei isto. Somos a mesma coisa e dirigimos-nos para o mesmo sitio.
Que não há fim. Nestes nestes nossos pequenos fins. Temporários. Necessários...
A única tragédia, é desconhecê-lo.


IdoMind

about beautigul ties

Percebes.Percebes?



Comecei por um sorriso.
Um domingo à tarde disponível.
Um decidir tolerante,
sobre tantas intolerâncias.
E outras insignificâncias.
Comecei pelo possível.

Comecei por um olhar.
Por um coração.
Por um sentir,
sinceramente sentido.
Larguei o chão,
sem nunca partir
e sem ruído
estou sempre a chegar.

Comecei por uma alegria.
Por abandonar o cinzento,
e tudo o que entristece.
Por um receber o dia
e em agradecimento
aceitar o que esta vida

...me oferece.


IdoMind



about time off

Time is on our side...yes it is






Podemos até estar longe. Mas jamais estaremos separados.

De mim a ti e de ti a mim, vai apenas uma saudade.
E estamos juntos nessa certeza de que é só uma questão de tempo...

IdoMind

about circles

Abraça-TE



Já podes chorar... As pessoas choram.
A fragilidade só incomoda, quem é incapaz de abraçar.

IdoMind

I do

love hurts



É por te amar tanto
que te consinto até
que me magoes.
Chegas tão perto, 
que chegas a ser eu,
só que com outra pele.
E sabes que mais?
Ainda bem que és tu
a ensinar-me que no amor
cabem também
a raiva
a tristeza
a dor,só que duram menos
que do que as saudades
da tua gargalhada.

De ti...

IdoMind

about what is worth worrying about

Quem com ferro mata



Não é de intenções
que o inferno está cheio
mas das boas acções
que deixamos pelo meio.

Por isso não julguemos
para não sermos julgados
cadastro todos temos,
do que fomos culpados.

Quem se ajoelha
vai ter de rezar,
mas que Grande será
quando se levantar...
A cada um a sua cruz
e a força para a levar
desejo a todos muita Luz
para conseguirem chegar.



IdoMind

about what goes around

I just want your extra time and your...





É para beijar.

As feridas.
As faces,
E até o chão.

Os lábios,
a carne
a tua outra mão.

E uma mãe
um pai
cada irmão.

É para provar
a vida
temperada
de emoção...


IdoMind



about good tastes

Quem vai ao mar perde o lugar






Ela sabia bem onde estava. E como voltar quando se afastava.
Ouvira dizer várias vezes que o caminho do eremita é para alguns e do louco para a maioria, mas que o Diabo nos apanhava a todos, enlouquecendo os eremitas e amadurecendo os loucos.Era por isso que uns nunca partiam e outros nunca ficavam.Poucos estavam. O segredo era Estar.Poucos estavam. O segredo era Estar.IdoMind


Ao contrário dele, há dois anos tão deslocado, que se esquecera de como ali havia chegado...

As pessoas que se vão colocando no lugar estão sempre bem colocadas. Quando não estão, ou deixam de estar, deslocam-se de novo. Procuram outro lugar. Ainda que muito, muito, deslocado do lugar de onde queriam ser colocadas. 




about where I stand
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...