janeiro 19, 2011

O Colo e a Palmada

Dizem que entre a principal característica do nosso pai e a principal característica da nossa mãe, se esconde o segredo da nossa Missão. Talvez todos tenham razão e eu precise de ajuda profissional, mas para mim isto faz sentido. Soa-me a verdadeiro.

A minha irmã não atribui aos meus pais as características que eu atribuo. As nossas missões devem, por isso, de ser diferentes. O que reforça a coerência da premissa.
Porque para falar do meu pai preciso de tirar férias e escrever um livro, pus-me a pensar na minha mãe e apeteceu-me escrever sobre essa mulher como não há outra. A sério, não há. Para equilíbrio do Universo.

Influenciou-me muito. E só agora, eu própria mulher, vejo o quanto. Foi uma coisa assim para o subtil, mas a Baixinha, fez "estragos". Ainda hoje não me entendo com os homens. Ainda hoje acho que consigo suportar várias toneladas de carga sozinha. Lido mal com a o meu lado feminino. Ainda hoje me custa chorar. Tudo obra da minha mãe. E para alguém com uma altura a rondar o pigmeu é realmente Obra!
Se é bom ou mau? É o que eu escolher fazer com esta compreensão.

É inegável o poder das Mães. E é sobretudo inegável que há muitos tipos de mães. Mas a roda da existência sorteou-nos com a nossa. Porquê?
Porque não se trata de sorte. É exactamente DESSA  mãe que precisámos e precisamos para nos construirmos. Para nos destruirmos. E voltarmos à reconstrução. Ou destruirmo-nos mais um bocadinho, de dedo apontado à infância miserável e ao péssimo trabalho dos nossos progenitores.

O problema das mães é serem seres humanos. Cada mãe é só uma pessoa. Com um coração que bate a sua própria música. Como o nosso bate a nossa. E depois aparecemos nós. Vimos por aí abaixo, cair mesmo a meio da história dela. A mãe passa a ser um coração, a bater duas músicas.  
Mas continua a ser só uma pessoa. Com dias de sol e outros dias de céu muito carregado. Vários dias de trovoada. A minha tem destes…são tipos enxurrada, duram pouco mas arrasam tudo à volta.

Há uma qualquer ideia tão enraizada em nós que as mães são, e têm de ser, capazes de inenarráveis proezas que lhes exigimos o comportamento de heroínas. E é com dificuldade que toleramos o facto de não serem perfeitas. Indignamo-nos até e manifestamos a nossa desilusão quando não fazem o que seria expectável de uma mãe. Quando, no fundo, não correspondem à Mãe dos nossos sonhos.

O contrário também é verdade. Há mães que vestem os filhos com botas vermelhas e uma capinha. Olham e vêem neles o super-homem que nunca viram no pai ou que entretante desistiram de ver. E manipulam assim uma relação sagrada. Porque também há mães que se destroem...
Que se consomem no processo de viver a vida que não é delas, recriando-se nas suas crias. Ou morrendo devagar tentando.
Conhecem bem a culpa e como usá-la. Cobram e protestam, umas veementemente, outras de forma mais polida, que as amem, que as visitem, que as informem de como corre o trabalho, como estão os míudos e se já trocaram de nora, que as deixem ser a sombra reflectida em todas as paredes, a gerente lá de casa... Algumas conseguem. Por isso alguns filhos mentem. E outros afastam-se.

Para os filhos das mães ausentes;
Para os filhos das mães demasiado presentes;
Para os filhos das mães frias;
Para os filhos das mães instáveis;
Para os filhos das mães mártires;
Para os filhos das mães-carreira;
Para os filhos das mães rígidas e das mães moles;
Para os filhos das mães que preferem ser outra coisa,

- Não as julguem. Amem-nas.

São benditas. Todas. E bendito é fruto do ventre de cada uma delas. Não é isso suficiente para terem o nosso obrigado? Para erguer a bandeira branca e correr para os braços delas?
O Amor é o caminho que te leva à tua mãe e o que a traz até ti.
Ama-a acima de tudo. Acima do passado, acima dos feitios, dos orgulhos, do que é pequeno.  
Ama-a mesmo que ela não te ame como queres ser amado.
A tua mãe é como tu – humana.
Faz a tua parte.
Ela fez e está a fazer a Sua.

IdoMind
About karma

14 comentários:

Marcia Toito disse...

Mais uma vez agradeco por compartilhar um pensar 'tao coerente e verdadeiro, me deu vontade de correr e abracar minha mae, como esta longe abraco meus filhos.

IdoMind disse...

Querida Márcia

Estava difícil de comentar! lol

Se calhar não é sua mãe que está longe, mas sim a Márcia que está longe da sua mãe ;)
Deve ser assim que ela vê.
Mas pelo que percebo estão bem juntinhas uma da outra...
Também se dão abraços por telefone..
O meu para a Márcia vai assim, directamente do Jardim para um coração muito florido!
Mil beijinhos

Marcia Toito disse...

difícil sim, pc estranho este que estou. quando estiver em casa elaboro melhor o pensar.

bjos

arKana disse...

Idomind,
estou sem palavras, já cá vim antes e agora vim reler... de facto estou a trabalhar a minha relação com a minha mãe, e ufa é complicado (respira respira).
Voltarei... para me lembrar de tão sábias palavras.Para me lembrar de abraçar a minha mãe, em tudo o que ela é, mesmo que não concorde, mesmo que me sinta magoada... e aprender a aceitá-la incondicionalmente! e aprender a aceitar-me incondicionalmente!
(bom! para quem estava sem palavras hihihihi)
Um beijo

Siala disse...

Ido...excelente texto :) Pela forma que está escrito (sou tua fã caramba!) e pelo que exprime.
A minha mãe é a minha melhor amiga...desde que me lembro. Protectora, intrometida (rssss), lê-me como um livro aberto, pressente o que se passa mesmo á distância (o que é extremamente irritante), teimosa, ás vezes pica-miolos...enfim...perfeita? NÃO! longe disso. Mas sabes? É a melhor mãe que eu poderia ter escolhido. E damos-nos as duas muito bem... ensinou-me a ser mãe, a ser mulher, e apoia-me incondicionalmente (mas também me dá os puxões de orelha necessários). E é graças a ela que a relação que construo com a minha filha se baseia nas mesmas permissas...claro que só depois de eu mesma ser mãe compreendi muita coisa, e muitas das atitudes da minha mãe.
Já a relação com o meu pai sempre foi difícil e conflituosa (é o meu karma com a autoridade lol). Mas depois de eu ser mãe, compreendi que os meus pais são apenas humanos, que erram, que não sabem tudo...mas que sem dúvida nenhuma fizeram o melhor que sabiam e podiam...e eu tenho muito orgulho neles e estou muito agradecida.
O que eu observo, e do que me é dado a conhecer...é principalmente depois de sermos nós mesmas mães/pais (no caso masculino rsss) que um universo inteiro de compreensão se abre e se faz alguma luz sobre as nossas relações com os nossos próprios pais... comigo foi assim.
Estiquei-me! Caramba que já andava com saudades de comentar lol
Namasté!

IdoMind disse...

Siala

Tão bom tão tão bom ter-te aqui!
Neste post abordei sobretudo as relações " menos saudáveis" entre mães e filhos. Mas há boas e abençoadas relações de filiação.
Fico imensamente feliz por a tua ser uma dessas. Vale o mesmo principio: sem ESSA mãe...não é? Há mães que vêm para ser mães - para nos amar no matter what, no matter who...para estarem do e ao nosso lado em todas as circunstâncias apenas porque é isso que o seu coração de mãe manda.

Tens o teu pai para o resto. Eu também...lol

É verdade, eles são pessoas e também têm problemas, dilemas e dúvidas. Também estão a crescer.
Ainda bem que o percebeste a tempo de poderes apreciar plenamente aos dois que te deram vida e te trouxeram aqui..
Um grande grande grande beijinho e obrigado pela participação sempre envolvente

IdoMind disse...

Arkana

Não fazia ideia que fazias umas incursões pelo Jardim lol fiquei muito satisfeita em sabe-lo. Mesmo.

Sabes como surgiu este artigo?
Uma cliente a queixar-se que teve de trazer a filha à reunião porque a mãe dela não quis ficar com a menina.
E às vezes acontecem daquelas coisas. Encontrei a mãe da cliente à tarde nos correios. Achei-a mais magra. EStá doente. Tinha ido ao médico nessa manhã para confirmar o diagnóstico. Pediu-me " não diga nada à minha filha. Ela está cheia de problemas como sabe e não quero levar-lhe mais um".
Pois...

As mães também adoecem. As mães também têm direito à sua vida privada. As mães são, como eu disse, só humanas como eu e tu.

Quanto mais depressa o compreendermos mais harmoniosa será a nossa relação com os nossos pais, que têm o dom de nos afectar como ninguém tem.
Abraça-os porque bem merecem...carregam a carga deles aos ombros e a nossa no coração ( mesmo que achemos que não)
Um beijinho enorme

Maria de Fátima disse...

Olá querida Ido, tu tens o dom da escrita.Estou arrepiada e emocionada depois de ler este post.A minha relação com a minha Mãe é óptima, somos mãe e filha, somos irmãs e somos amigas; a relação com o meu Pai já é diferente, risos.Ele é um patriarca severo mas ama muito a sua cria, que sou eu, risos.Beijocas grandes.

IdoMind disse...

Minha Mimi querida,

Parece que as meninas andam com problemas com os pais! lol
Ainda bem que tens a tua mãe a ajudar-te no caminho.
Se queres que te diga do fundo do meu coração a única verdadeira relação que tenho na minha família é com a minha irmã. Conto com ela, choro com ela, conto-lhe tudo, confio nela inteiramente. Amo-a muito.
Gostava de ter tido uma mãe assim ou uma relação assim com a minha mãe. Não tenho. Mas está tudo bem. Graças a ela sou a pessoa que sou e até gosto de mim assim.

Vai um abraço muito sentido deste lado para ti e obrigado...

luis disse...

O que escreves pela forma e conteúdo é de tal forma "magnético", que é realmente difícil passar despercebido. As tuas muitas fragilidades e dúvidas expostas nas entrelinhas...Não serão as mesmas que todos temos? Apenas temos diferentes formas de as interpretar, classificar e nos condicionarmos?

Em relação a ser mãe, não tenho experiencia ( pelo menos nesta vida ... LOL). Quanto a ser Pai, Tio e educador, de uma menina linda e uma autêntica "bomba" a radiar amor, digo que esta é a experiencia mais difícil e ao mesmo tempo gratificante que pude ter. Torna-nos adultos e Maduros...Todos os dias vaguiamos entre dúvidas e certezas...Até que chega o "Pai, amo-te", e o "Pai, és lindo. És Tudo para mim." E qualquer dúvida se esclarece.
Não sou o seu Pai biológico, mas existe uma cumplicidade tal, que presumo ser maior do que se o fosse. Bem, isto não é garantia de um excelente futuro mas ajudará certamente. Não deveria ser sempre assim?

Bjs

luis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
luis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
IdoMind disse...

Luís

Eu não o teria dito melhor "Todos os dias vaguiamos entre dúvidas e certezas...Até que chega o "Pai, amo-te", e o "Pai, és lindo. És Tudo para mim." E qualquer dúvida se esclarece."

Só o Amor é real ;)
Obrigado pelo tua bonita e sentida participação

beijinhos

arKana disse...

Idomind,
Gostei muito de ficar a saber mais um pouco da história de como chegaste a este texto ;)

pois é bem verdade, as mães também têm direitos, também são gente ehe

e esqueço-me disso, como mãe que sou.

talvez quanto mais depressa aceitar que a minha mãe é humana, melhor me aceitarei como mulher e mais depressa conseguirei sentir-me melhor mãe.
fiz-me entender? 8)

obrigada por me fazeres reflectir sobre este tema, ajudou-me um pouco a sair do filme :)
beijo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...