janeiro 16, 2013

De Mago a Louco, vai só um pouco



Estou para florir há três semanas. Há coisas a empurrarem-me de dentro e com tamanha vontade que já começaram a partir-me a pele. Devem ter pressa ou um prazo qualquer porque desde ontem que me sinto a estalar por todo o lado. Estão incansáveis a abrir uma saída. Sinto-o em especial na zona do coração. Deve ser onde estão a pôr mais empenho. Faz sentido começarem por me destruir pelo meio, rebentarem-me o centro para que o resto se desfaça como uma figura na areia engolida pela maré que enche e leva.

Andava eu sossegada a tratar da minha vida, quando me senti empurrada pela primeira vez há cerca de dois atrás. Não sei por onde começaram a querer a nascer, sei que devem ter mexido no que até então tratava da simples missão de dividir o branco do preto e mandar o resto para reciclagem. Um dia, que parecia normal, tentei agir de acordo com o que era correcto e soube-me tão mal como se estivesse a pecar de olhos bem abertos. Até me deu uma tontura. Iludida que era recta, não passava afinal de uma cobarde. Toda a vida, com a vida. Tinha andado metida no comércio da felicidade. A minha pela de outros, a de outros pela minha, a depositá-la aqui e ali e a penhorá-la a favor do que não tinha qualquer valor até ser capaz de voltar para a resgatar e compensá-la pela má decisão.

Tentei lembrar-me quando e como foi que fiz do meu bem-estar pessoal uma moeda de troca e acho que foi sempre assim. Só com a minha irmã tudo foi de graça, o demais chegou e partiu num negócio, só variável no volume maior ou menor de transacções. Porém, e apesar do sucesso de todas estas operações comerciais, eu era única que não ficava feliz com as minhas próprias escolhas.
Eis o cavalo de Tróia,  que de mansinho e de pantufas, me trouxe a anarquia para dentro de casa. Antes de me empurrarem, eu não sabia que tinha Escolha. Pensava que viver era respirar… e reagir. Habituada a pagar o bilhete, não me tinha apercebido dos remos encostados às mãos. 
De que me queixava eu, se embarcava sem me sonhar.
Deixei então de encontrar paz na ausência do conflito. Eu não era pacifista, havia permanecido passiva para não acordar os animais de estimação de ninguém. Sem querer levantar poeira, nunca a varri de debaixo dos meus pés. Inevitavelmente, aconteceu um grão ou dois entrarem nos sapatos. Causando feridas ao fim de uns quilómetros. Imprevisivelmente, uma ventania ou outra trouxe com ira o pó contra os olhos. Fazendo-os chorar. 
Ignorar as minhas necessidades não fez com que fossem menos necessárias. Ou realmente importantes.
Parecia que tinha descoberto que era adoptada, depois de ter andado a enxotar vezes sem conta a sensação teimosa de não pertencer a um lugar. Foi assim que senti as estaladas da verdade a despertar-me do sonambulismo.

Sem rebeldia, vi-me na adolescência do meu Destino. Eu não sabia nada e tinha a gestão do meu Caminho para reaprender. As regras que havia seguido, com incontestada obediência, violavam a Lei e era por isso que eu colhia tempestades quando me semeava de resignações. Abusos. Medos. 
Foi assim que começou a minha crise. E já lá vão dois anos de medidas de austeridade. De cortes...
Impus-me a solidão e o silêncio para ver me encontrava depois do ruído que quase me deixou surda aos ecos da minha eternidade. Precisava ver-me e abraçar-me. Despedir-me do que estava a mais e só pesava. Prendia. E asfixiava a audácia de pelo menos tentar.  
Tenho levado este tempo a perceber por que águas quero remar o meu rumo. E a abastecer-me em terra para não morrer no mar. Pus tudo em dia e até renovei a fé, que entretanto tinha caducado, para poder passar as fronteiras que fossem aparecendo. Andei a tomar banho a cada palavra e a cada gesto, vendo bocados meus a ir pelo ralo. E outros, tão bonitos, a despontar. Há dois anos que me ando a limpar e sinto-me, por fim, gira e pronta para ir para a rua.
Oiço o meu nome a ser chamado. Desconheço o que aí vem, mas reconheço quem lá vai e isso basta-me para saber que vai tudo correr bem…
IdoMind
about harvesting


2 comentários:

Shin Tau disse...

Assim seja!

IdoMind disse...

VAI SER!

<3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...