janeiro 17, 2013

Diques e Truques



Disseram assim:

- Olha para a dor de frente e a dor vai desaparecer, como um muro que se desmorona.
Pensei de imediato “como diabo isso se faz?? Eu quero!”
Fiquei curiosa por saber como realizar esta magia e continuei a ouvir, na esperança que fossem dadas instruções para a aplicação prática desta máxima, que me pareceu a cura milagrosa de tantas, se não todas, as patologias emocionais.

Tenho o privilégio de constatar, praticamente todos os dias, que a doença tomou conta da cabeça e do coração das pessoas. Se perguntados porque querem ou precisam de agir de determinada forma para obter determinado resultado, a resposta, quase invariavelmente, acusa dor. É o Medo de sofrer que (n)os leva a magoar. E o círculo fecha-se.
Se ao primeiro porquê se sucederem mais porquês, a resposta final, já irritada, acaba por ser - porque eu tenho razão! Gente grande a responder como rapazes pequenos. Será isto fugir de olhar a dor de frente e fazer com que continue a doer?

Com todas as implicações que traz, há muito que eu escolho o meu trabalho e não aceito patrocinar todos os litígios que me são apresentados.
Lembro-me do momento exacto em que tomei verdadeira consciência da importância da minha conduta profissional. Tinha acabado de tomar o comprimido vermelho e ainda andava a cambalear entre o deslumbre e a heresia. Não me pareceu muito distante a entretanto abundante literatura que já havia na área do desenvolvimento pessoal e espiritual, da ficção científica que estava habituada a ler e que continuo a devorar. Uma amiga emprestou-me então “ Muitas Vidas Muitos Mestres” do Brian Weiss. Para quem não conhece, trata-se de um psiquiatra reconhecido, formado na Faculdade de Medicina de Yale e portanto um académico. A minha amiga conhecia-me bem... Se fosse um tolinho qualquer de branco a falar-me de visões que tinha tido durante um jejum, na altura nem sequer tinha tocado no livro e reconsideraria manter a amizade.
Decorria o ano de 1980 e o Dr. Weiss foi trabalhar como de costume. Aconteceu que durante uma sessão de hipnose, a cliente que estava a tratar de acessos de pânico, medos e fobias inexplicáveis, vai tão para trás na raiz dos seus traumas que começou a descrever uma vida passada, narrando inclusivamente detalhes do que estava a experienciar que seriam impossíveis dela saber no contexto da sua vivência actual. De repente, a reencarnação reencarnou no gabinete do reputado médico, que por muitos anos manteve este episódio em segredo, receoso de como seria recebida a sua descoberta pela comunidade científica, pelos amigos e até pela família. Continuou porém a desenvolver esta terapia, conduzindo aquela, e outros pacientes, a vidas passadas. O livro é o relato de algumas destas sessões.
Numa nota, a determinada altura, o Dr. Weiss menciona que de todos os pacientes que em estado de hipnose descreveram experiências de vidas passadas, bem como o que acontecia logo após a morte nessas vidas, que chamam de “ espaço entre vidas”, apenas um descreveu a experiência de ter morrido e ter ido para um “lugar”  correspondente ao que imaginamos ser o inferno – um advogado!

Caí em mim!

Tive noção naquele momento que TUDO o que faço tem uma consequência. Quando morreu na vida que foi levado a relembrar em estado de hipnose, aquele advogado deve ter partido em tal estado de desconformidade com os desígnios da sua alma (ou da sua moral) que morreu julgando ser merecedor do inferno. Condenou-se assim em vida a alimentar o verdadeiro inferno - viver na luta consigo mesmo, pois haverá pior castigo que não ter paz?  Haverá pior condição que a falta ou a perda de amor por nós mesmos? Haverá pior violência que a praticada contra a nossa essência? Dia após dia após dia...Haverá pior inferno?

Percebi então que tinha a responsabilidade, não de evitar o inferno, mas de usar a minha vida para construir nela o Céu. O meu trabalho constituía uma ferramenta valiosa para esta Obra. Não é só um trabalho. Nenhum trabalho é só um trabalho. O nosso trabalho é a matéria-prima onde mostramos de que matéria somos feitos. É uma terra por arar os frutos que haverá de dar.

A minha postura mudou muito desde então. Cada pessoa sentada à minha frente, no escritório, deixou de ser um cliente para passar a ser Eu à procura da minha ajuda. Afinal de entre milhares de colegas, foi a mim que recorreram.
Aproveitei-os então, e sempre que consegui, para colocar janelas bonitas no meu Céu, dar um jeito nas varandas ou arranjar o jardim da frente.
O inferno é a ilusão de que estamos separados...

Fui estendendo este entendimento ao resto. Quanto mais me responsabilizei pelos meus actos, menos os actos dos outros me foram doendo. É que ninguém me faz nada que eu não tenho feito antes…
Sabendo e acreditando que assim é, passei a estar atenta às minha reacções "normais", automáticas, instintivas. Geralmente defensivas. De que me defendia eu? O passo seguinte foi então descobrir onde e porque doíam os ataques dos quais precisava de me defender.

Parece-me que não há grandes dúvidas que foi de quem mais confiávamos, que apanhámos a bactéria alojada em nós a deitar ovos até hoje. São antigas as memórias que ainda hoje nos manobram os passos.O nosso passado contamina-nos o Presente. Passado este que pode ir tão longe como os passados dos pacientes do Dr. Weiss ou bater já ali, na infância difícil e nuns pais impreparados para o Amor.

Uma vez que estou numa de confessionário, as minhas dores, as que consigo reconhecer pelo menos, devo-as a um início de vida hostil, que me levaram a arranjar uma maneira de sobreviver à carência de afecto. E de muito mais.
Primeiro que aqui chegasse…Tive de passar pelos clientes que eram Eu à procura de ajuda.
Também os meus pais (pai) era Eu a aprender a pôr comida na mesa para quatro. A dizer não aos amigos para ir ajudar nos exercícios de matemática e colocar a mesma pergunta mil vezes até perder a paciência e esticar da mão contra uma coisa pequena que não queria fazer contas, queria ir ver  “ O fugitivo”.
Vim para dizer àquelas pessoas que a vida deles nunca mais ia ser igual e é natural que não se consiga logo acertar nisto de ser um pai que não deixa marcas…
Se está tudo resolvido e hoje é só beijos e abraços? Não!! Ainda preciso de aprovação, ainda me doí tanta parvoíce, ainda não sou Livre.

Ouvindo dizer que bastava olhar de frente e a dor desaparecia, é claro que pus nisso toda a minha atenção. Queria tanto saber como, que esqueci a timidez e expus a minha dúvida:

Sabemos que é aconselhável enfrentar os nossos medos.Isso é fácil. Se tenho medo, por exemplo, do escuro, posso fechar-me num quarto e passar uma, duas, três, muitas noites às escuras até deixar de temer a escuridão ou ter um enfarte. Se tenho medo do abandono, posso ir dizer tudo que tenho engasgado a quem tenho medo que me abandone e esperar que a pessoa fique e me ame ainda mais ou vá embora de vez.
É-me mais fácil identificar o medo, que a origem da dor. Por conseguinte, é-me mais simples saber o que fazer para acabar com o medo do que com a dor.
Soma-se que acontece vencer o medo e nem por isso acabar com a dor.
Como se faz então?
Como é que se olha uma dor nos olhos? Tantas vezes nem sequer sabemos qual é órgão que se está a queixar.

Eu perguntei a um monge como se olhava de frente para um coração partido.

A vós, o que vos dói? Porquê?
Conseguem dizer?
Conseguem dizer-me?

Também esperam que seja o tempo a cura-la...?

É que estou cansada de algumas dores e gostava mesmo que magicamente desaparecessem como um muro que desmorona…

IdoMind
About easing this soul of mine…

4 comentários:

Onda Encantada disse...

É assim que espero que ela desapareça! Que caia como a torre Eiffel e se desmorone em pó que voe ao vento.

Como se fosse um toureiro frente a um touro sem pontas e lhe fosse fazer uma pega de caras... não há medo, não posso ter medo, e o medo que tenho entrego-O!

Acho que já não temos outra hipotese senão bater de frente com aquilo que nos doi, e bater de frente... É amorosamente, dedicar Amor, encher de Amor, aquilo que nos doi... e não aceitar nada mais do que isso...

Isso é bater de frente, dar Amor, sem esperar retorno, porque o retorno.... é a limpeza do nosso carma....


SIS... thank you!!!!
LABEIU

IdoMind disse...

Ondinha,

Gosto do teu "truque" do Amor...Até rebenta tijolos!
Gostei mais ainda da parte do não esperar sobretudo quando, em meu entender, a maior parte do sofrimento advem das expectativas que crias.

Amar e sem esperar.:)
Obrigado eu Grande Onda <3

Shin Tau disse...

Olha, não quero vir para aqui pregar truques, mesmo! Mas apetece-me partilhar contigo a minha técnica.

Ao contrário de ti, na altura se me dessem um Dr. Weiss talvez não tivesse aberto a porta, para mim funciona mais e melhor os loucos, aqueles que parecem inspirados de uma loucura divina, que sem saber ler ou escrever dizem a Verdade que ressoa em mim.

Então, há uns tempos, neste verão, mais propriamente, andava a deambular pela Fnac e deparei-me com um livro, um livro que noutra altura qualquer nem teria merecido um olhar rápido da minha parte, mas naquela altura, naquela dor, foi a chave que precisava.

Neste livro a autora mostra-nos que temos um mapa e que cada dor que vivemos cria no nosso interior um cenário, tipo: o deserto, os campos tempestuosos, o campo de papoilas, and so on and so on...

Ao entrares de coração aberto nesse cenário, inevitavelmente irás encontrar a dor e a sua origem...eu gosto assim, da forma maravilhosa, pois torna-se mais simples de olhar de frente para a dor. Depois ela desenvolve algumas personagens que nos ajudam a compreender melhor o momento, há uma que se chama a gentil Jardineira ;)

Enfim, ando a divagar e não vou directa ao assunto. Há dores que são fáceis de encarar e ao fazê-lo descobres a origem, é como um novelo que vais desfiando para depois voltar a organizar. MAs há outras que já têm nós e que se tornam mais complicadas de desvendar, a essas eu gosto de pedir a ajuda do Espírito para desfazer os nós e funciona quase sempre. quase, porque às vezes ainda não estou preparada para enfrentar aquela realidade...

É todo um processo, um processo que aceitamos, um compromisso connosco que fazemos, e tudo tem o seu tempo e espaço para acontecer.

Minha Irmã, se há coisa que eu compreendida nossa infância principalmente, com a ajuda deste livro, é que não podemos ser tão exigentes connosco, temos de largar a matriz criada pelos «Tens mais é de ser a melhor. é o teu dever!» «Estas notas não são suficientes» «Isto não está bem, tens de fazer melhor» Está mais do que na altura de nos aceitarmos como somos, imperfeitas!!!, num caminho paulatino de limpeza e a desejar, sim, a perfeição, mas num caminho de amor pelo que somos em cada instante. Para mim, só assim faz sentido, é este o meu recomeço!

Gosto do que tenho lido, keep up the good work!

Love ya

IdoMind disse...

Mana,

Li três vezes o que escreveste. Serious stuff...

Tu vais lá pelo coração, eu dou à mão à razão.Só uma, das mil, diferenças que faz das Catitas únicas lol. Mas é assim, nesta dialéctica, que temos crescido ( e como temos crescido) as duas.

Parece-se fazível essa técnica dos cenários. Depois dizes-me qual é o livro.Adorei essa da gentil Jardineira ;) há coisas muito giras.

Concordo contigo, a cura, o truque :), surge conforme a dor. Até isso muda... Hoje concluo que estar atenta é de facto essencial para nos irmos percebendo e com isso desvelando os tais nós.Nenhuma pergunta vem a respectiva resposta mas é necessário que estejamos, como disseste tão bem, comprometidos em querer descobri-la.

Faço como tu quando a dor doi tanto que só quero que passe: peço ajuda ao Alto.Talvez a dor sirva também para nos lembrar que nada disto existe, nem corações que se partem :)

Tem sido um trabalho duro esse de aceitar que posso falhar. No outro dia até aceitei um elogio e tudo, hein :)
Estou a resolver lentamente. Amorosamente.Acho eu. Mas é triste pensar que até de chorar me proibia...Foi preciso muita dor :)

Obrigado mana...sabes que estas tuas palavrinhas, oh teacher, fazem maravilhas. Curam-me...

Tenho andado com vontade de escrever, de partilhar, de me "abrir e deixar a energia circular" lol.

Amo-te mana e desejo que também tu doas cada vez menos e Sejas feliz cada vez mais
<3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...