maio 14, 2009

Os Tempos das Coisas

Está bem, eu vou contigo salvar o mundo batendo à porta de cada um. Mas terás de ser paciente. Ainda não preparei tudo. Quero ir livre e como uma só. Quando formos, será uma companheira que caminhará contigo e não uma companhia.

Por hora, as preocupações ainda me preocupam e os medos ainda me assustam. É no chão em que tenho os olhos postos, que encontro a minha bússola. Neste solo criei raízes. Vi a minha árvore crescer. Também vi a minha árvore adoecer. Vi a minha árvore lutar e a ficar mais forte a cada batalha. Cuidei dela algumas vezes. Podei os ramos enfermos. Os fracos e os feios. Deixei que o vento lhe moldasse a forma e que a água enviada de cima, lhe saciasse a sede.

Não é perfeita a minha árvore, mas é o meu fruto, com sabor a sonhos.Tem um travo a aprendizagens, a encontros, a esperanças renovadas após cada Inverno. O fruto da minha árvore sabe a Amor.
Custa-me deixá-la e partir. Ela sou eu. E não estou ainda pronta para me abandonar. Ainda penso muito em mim. Ainda tenho o sol a gravitar ao meu redor. Tudo começa e acaba no que sou e no que quero ser. Por isso não posso ainda dar-te a mão e ir em verdadeira liberdade.
Sofro ainda muito com o egoísmo dos que se vivem em si e por si. A pele ainda se arrepia a cada palavra feroz, aos gestos ásperos, à indiferença. O sangue ainda pulsa forte nas veias a cada não sem sentido. Ao fechar de olhos às lágrimas alheias. À surdez da dor do outro. Aos casulos que nunca mais eclodem…
Ainda me envergonho por também ser assim egoísta. Quando formos, as minhas palavras já não podem ser azedas nem as minhas mãos crespas ou o coração adormecido. Os meus olhos estarão sempre abertos e os meus ouvidos sempre à escuta. Seremos duas borboletas…a olhar para o que outrora foi a nossa casa.


Deixa-me arrancar as raízes. Deixa-me aprender acerca da tolerância. Deixa-me compreender que não há bosque. Deixa-me ver AQUI a planície sem fim de onde viemos e para onde vamos.

Só então poderei ir sem precisar de partir.

Só depois de salva poderei salvar...

IdoMind

About leaving without packing

9 comentários:

Viajante disse...

Olá IdoMind

Palavras para quê é uma artista portuguesa que usa palavras de coração desperto "moldadas pelo vento", com "travo a aprendizagens, a encontros" e "com sabor a sonhos".
Que palavras bonitas que entrosamento perfeito.
Eu acho que a IdoMind devia de tempos a tempos comparar o que escreve a agora neste "Novo olhar de si" com o que escrevia antes.
Uma coisa pode ter a certeza, os que a ouvem e lêem ficam de certeza mais ricos.

Obrigado pela sua partilha

Um beijinho

O Viajante

Shin Tau disse...

Hoje apetece-me deixar-te a descrição do estado em que fiquei quando li o que escreveste, pois não sinto que possa dar algo para melhorar o que está dito.

Aqui vai:

Li as tuas palavras, à medida que o texto ia avançando a minha energia aumentava, no fim, fechei os olhos e fiquei apenas a sentir o que cada palavra realizou aos meus corpos. E constatei algo: estava em paz!

Obrigada!

Marise Catrine disse...

Oh Jardineira Linda,
Meu Deus, como adorei cada palavra deste texto, como percebi que ainda tenho as minhas raízes muito presas...
"Ainda penso muito em mim" - senti vontade de poder correr para junto de ti e dizer: "por favor fala mais comigo sobre isto!"

Obrigada,
Beijocas

Léo disse...

Eu vou te mandar um e-mail. Há palavras que devem ser lidas somente por tí.

Direto do Brasil.
Um beijo.

IdoMind disse...

Olá Doce Viajante

Não se iluda, continuo a ser severa com as palavras, dura nos actos e rigorosa com as pessoas com que me rodeio.Amor não é permitir tudo nem aceitar o inaceitável...
ultimamente tem-me dado para aqui, só isso. Mas se espante se um dia destes lançar uma das minhas bombas!

beijos bombásticos Viajante

IdoMind disse...

Shin_Tau

Your love was and is what keeps me floating enought to bring this little pieces of heaven to our Garden.
It´s knowing that you´ll always be around that gives the peace I need to use my pen
thanks my love

IdoMind disse...

Marise The brise...

castigamo-nos demais pelas nossas falhas, pelas nossas imperfeições, pela nossa humanidade. Há que aceitar que ser humano é isso mesmo: nem sempre acertar, nem sempre conseguir fazer o melhor e seguir em frente ao nosso ritmo, respeitando-nos.É só isso. Respeitarmo-nos.E afinal, quem é que quer ser perfeito? ALém de ser seca deve ser muito solitário lol

Beijos, beijos, beijos suave Marise

Eu Sou Você disse...

...E será uma linda revoada.
A&L

Caillean disse...

Minha doce idoMind

Palavras tão profundas como ter a certeza de que o sol vai nascer e se por. Me tocou muito e fico feliz que tenhas partilhado, é tao bom saber que estou sempre numa eterna aprendizagem.

Beijinhos encantados

)0(

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...