julho 08, 2011

Ao falar com um Homem

Hoje escrevo para as mulheres. Todas. As que se queixam. As que aguentam. As que choram. As que fingem que não. As que se escondem para chorar e as que se escondem para viver. Escrevo para as mulheres que se demitem de ser mulheres e se perdem, acabando por não saber o que são. Ou o que querem ser…Escrevo para as resistentes que se dão aos pequenos luxos de serem sensíveis e demonstrá-lo, de esperarem que lhes abram a porta e se lhes dirijam com delicadeza porque são mulheres e as mulheres são delicadas.
O logro está em achar que não. Nós não somos pesos-pesado e não temos, não devemos, levantar nem carregar, as mesmas cargas que os homens. Temos outras, ajustadas às nossas medidas de Cinderelas. E benditas sejam as nossas cargas… São dons, na verdade. Ser mulher é ter dom.  E como todos os dons, completa-se com uma pequena parcela de maldição.
Mas oh mulheres - só somos malditas quando nos recusamos a ser sagradas. Nascemos para albergar. Para dar hospedagem à vida e depois largá-la. Em nós cabem dois. No começo e até ao fim...que vai para lá do nosso fim. Cuidando, nutrindo, vigiando. Que gloriosa missão. Não acham? Metade do peso e o dobro da vida…Eu acho. Glorioso e mágico!

O pecado? Negar a dádiva de ser mulher e vestir calças por baixo da pele. Que belo resultado conseguimos com a Igualdade. Firma-se a minha convicção de que quem inventou o feminismo foi um homem. Agora, não só fazemos o que sempre fizemos, como ainda o que eles fazem. E mais…E mais…E mais…até ser humanamente impossível fazer mais…de forma humana… Como o dia não tem género e tem as mesmas vinte e quatro horas para todos, falta então o tempo para acompanhar a vida a geramos. A paciência para amar quem escolhemos. A humildade para reconhecer que apesar de tudo, há em tudo, um gosto eterno a insatisfação…

E passamos a pular. De tentativa em tentativa. De comprimido em comprimido. De grito em grito e má disposição em má disposição. De noite em noite. De homem em homem. De cama em cama…os mesmos “depois eu ligo-te”, “ amanhã falamos” e “ tenho de ir” que vão envenenando a fé em coisas e pessoas bonitas. Lá vamos ficando menos mágicas e mais reais. Concretas como paredes.

Não os culpem. A responsabilidade é nossa. Vamos ser mulheres e assumi-lo. A autorização para o devasse vem de nós. Chega-se até a levar os formulários e indicar aos homens onde assinar. É sempre com grande tristeza que observo uma mulher armada em caçadora. Parece que nos tempos modernos, se mede o grau de modernidade das mulheres pelo número de experiências.E também parece que é mais moderno ser infeliz que ser verdadeira…consigo mesma.

Da maneira que vejo, ser Mulher é um assunto sério. Lindo, mas sério. Nós convidamos pessoas para dentro de nós. É isso que acontece quando oferecemos o nosso amor. O nosso corpo. Alguém entra dentro de nós. E deixa lá uma parte sua. Em nós, mulheres. É assim que vejo e é assim que sinto. 
Desenganem-se, não pretendo incitar uma legião de activistas pro-pudor, castidade e muito menos, Deus me livre, proclamar a abstinência como solução para os males do mundo. Apelo à consciência. Do que se faz. E com quem. Do que se diz. E a quem. Do que se quer. E com quem…

Apelo aos sonhos e à Nossa verdade. Feminina, leve, alva e mesclada de fragilidade. Apelo à dignidade. Falo à princesa que mora em cada mulher e apelo à sua nobreza…A carpete vermelha e os sapatos de cristal são um direito, mas que tem de ser conquistado…todos os dias, por nós - Mulheres.
IdoMind
About turning things around…for our own good

6 comentários:

Shin Tau disse...

E o que é que este belo texto tem a ver com o título, pergunto eu?!?! Só tu!!!

Na sociedade que construímos e continuamos a construir, isto parece cada vez mais uma utopia.

Vou ficar a meditar sobre o assunto!

bj

Estrela.Dourada disse...

Querida Shin, concordo em parte contigo que tudo isto pode ser de facto utopia, mas nunca nos podemos esquecer que tudo começa com o primeiro passo. Será que cada uma de nós não consegue encontrar dentro de si a força suficiente para o dar?
Beijos

Cris disse...

Me sinto assim todo o tempo, mas jamais conseguiria transcrever tão perfeitamente meus sentimentos em palavras! Parabéns!

IdoMind disse...

Shin
Já te expliquei o título. Se falo por metáforas todos chegam lá,quando sou literal ninguém entende! lol

Ao falar com um homem, apercebi-me que andamos muito perdidas e que acabamos por os perder também...

Achas utópico? Talvez seja, Mas temos de começar por algum lado não é? Quem sabe expor o problema não seja o primeiro passo.
Medita e depois dá-me um sobrinho se faz favor :)))
beijosss

IdoMind disse...

Estrelinha!!
Estou contigo. Eu acho que se quisermos da mesma forma que conduzimos as coisas para aqui, podemos conduzi-las para outro lado, para um novo rumo.
Vamos a isso.

mil beijinhos

IdoMind disse...

Cris

Muito muito bem vinda ao Jardim.
E obrigada...
Acho que todas as mulheres sentem isto...não são é capazes de identificar o problema e, pior, reconhece-lo...

um grande beijinho e volte

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...